Imagem

O Jardim de Deus

Escrito por Anna Rossetto

29/08/2019

Aqui teremos um conto para crianças na idade de 4 a 8 anos que tem enfrentado alguns desafios na hora de dormir ou pesadelos. Esse conto ajuda a embalá-los de volta ao sono e usa a inspiração clássica da cegonha que leva a criança de volta a “doce terra dos sonhos”.

Você já se perguntou onde Deus mora? Tente imaginar a casa dele, não uma casa como a que você mora, mas em um lindo jardim que Deus chama de ‘céu’. Aqui as plantas têm folhas de prata, prateadas como a luz do luar no escuro do mar, e suas pétalas de flor são de ouro, tão douradas como o sol. Há muitos jardins de flor de arco-íris estendendo suas cores brilhantes de uma ilha a outra. Há tantas coisas bonitas no jardim de Deus que seria impossível descrevê-las para você esta noite.

Porém, há uma coisa que eu quero contar para você. entre os jardins de plantas douradas e prateadas corre um pequeno riacho vívido, um riacho não de gotas de água como os rios e riachos de nosso mundo. Este riacho é cheio de milhares de pequeninas luzes de estrelas, pulando e se empurrando e se revirando juntas. O riacho tece o seu caminho até o jardim de Deus, depois de viajar pelos distantes cantos do céu noturno, coletando novas luzes de estrelas pelo caminho. Quando chega ao centro do jardim, o jardim do céu, esse riacho transforma-se em uma grande cachoeira. Todas as pequenas luzes de estrelas faiscantes e que brilha como o sol – quase se fica cego com seu brilho radiante!

Bem, como você pode imaginar, todas as pequenas luzes de estrelas que se reviram na cachoeira sentem-se muito entusiasmadas e privilegiadas por ser parte desse maravilhoso lago de luz. Elas se lembram das histórias que suas mães estrelas contam muitas vezes, sobre a grande jornada que elas tiveram que fazer para chegar a esse lugar muito importante, e sobre os grandes anjos brancos que circundam o lago com seu abraço amoroso. As pequenas luzes de estrelas podem vê-los agora – em todo lugar, à Beria do lado de luz, com suas asas brancas brilhantes estendidas tocando umas nas outras, dispostas em magnífico esplendor. Você consegue imaginar essa bela visão?

As luzes de estrelas não estão entusiasmadas apenas por estar aqui, mas com a nova jornada e tarefa que se apresentam a cada uma delas. Elas sabem que os pássaros, anjos brancos, são mensageiros especiais de Deus. Perto da beira do lago, os pássaros-anjos esperam pela notícia da terra distante de que um novo bebê, menino ou menina, está para nascer no mundo. Ao ouvir tais notícias, um dos pássaros-anjos voa até o lago de luz e escolhe uma pequena luz de estrela. Segurando-a em um berço de seda, ele então parte para além do jardim de Deus e através do céu noturno – voando numa longa viagem para descer à terra.

Essa luz de estrela é um presente do céu que Deus dá a cada criança nascida na terra. O pássaro-anjo, ao chegar ao mundo depois de sua longa viagem, vindo do jardim do céu, dá esse presente maravilhoso ao novo bebê. Ele coloca a luz de estrela dentro do coração do bebê e lá ela fica para sempre, quente e brilhante.

Aqui está uma pequena prece para a luz de estrela dada a cada criança nascida;

Estrelinha, que de longe vem,

Guie meu caminho, seja minha companheira

Estrelinha, quente e brilhante como a chama da vela

Na escuridão, seja luz que por mim zela.

Pergunto-me que pequena luz de estrela foi escolhida para você quando você nasceu.

Talvez Deus tenha dado a cada um de nós uma pequena luz de estrela de seu lago de luz no céu porque Ele quer compartilhar seu próprio jardim, sua própria casa com todos nós. Portanto, se você se pergunta onde Deus mora, sua casa nunca é muito longe, todos nós temos uma pequena parte dessa cada bem aqui dentro de nós, bem aqui na terra.

Esse conto é da autora Susan Perrow e você o encontra no seu livro Histórias Curativas para Comportamentos Desafiadores. Use, adapte, se inspire para recriar da melhora maneira que considerar para o seu momento.

Você também pode gostar de…

O Rei Bico de Tordo

O Rei Bico de Tordo

Era uma vez uma princesa tão bela que ficava difícil de descrevê-la. Mas, apesar da beleza, a moça era arrogante e...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese